Salum esclarece posicionamentos do América no Conselho Técnico da Série A

  • Daniel Hott
  • 08/02/2018 11:18
Dirigente do Coelho participou de definições do Brasileirão 2018 (Foto: Mourão Panda / América)

De volta à elite do futebol nacional em 2018, o América participou, no início desta semana, do Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro. O encontro aconteceu na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio de Janeiro, e reuniu dirigentes dos 20 clubes que disputarão a Série A neste ano.

O Coelho foi representando por Marcus Salum, Presidente do Conselho de Administração, e Paulo Assis, Superintendente Geral do Clube.

Foram definidas e votadas diversas questões relativas ao Brasileirão 2018, como a utilização do árbitro de vídeo. O América votou pela não implementação do sistema na próxima edição do campeonato. Marcus Salum explica que o voto foi baseado na falta de garantias da eficiência do projeto e no alto custo de implantação, mas vê a tecnologia como uma ferramenta necessária em curto prazo.

“Acho que esse caminho é inevitável e será necessária a aplicação dessa tecnologia em um curto espaço do tempo. Nos foi apresentado um projeto de alto custo, cerca de R$ 50 mil por jogo, e sem a comprovação da eficácia. Como os clubes vão pagar a conta, o América entendeu era irracional pagar esse valor sem ter certeza do retorno”, explica Salum.

Na visão do dirigente americano, a utilização do árbitro de vídeo em outras competições do ano ajudará no desenvolvimento de um sistema aplicável a partir do Brasileirão de 2019.

“Os clubes têm que participar disso e entender o que está sendo feito. Acredito que dá para aguardar as experiências que serão feitas na Copa do Brasil e na Copa do Mundo. A tecnologia do vídeo vai contribuir para que possamos fazer esse processo com mais tranquilidade e eficácia”, completa o presidente.

Outro ponto de atenção do América diz respeito à venda de mando de partidas no Brasileirão 2018. Foi definido que as equipes poderão escolher estádios em outros estados em no máximo cinco partidas, sendo que a prática não será permitida nos últimos cinco mandos de cada clube. O América foi contra a prática, como destaca Salum.

“Os clubes puderam votar de zero a cinco mandos de campo e ganhou a proposta de cinco. No entendimento do América, não queríamos a aprovação, por isso votamos em zero. Para que fique claro ao torcedor do América, neste ano queremos fazer um trabalho diferenciado junto à torcida. Queremos trazer o torcedor para o Independência, nos apoiando em grandes jogos ao longo do Brasileirão”, explica.

O Coelho também se posicionou a favor da utilização de grama sintética, como no caso da Arena da Baixada, casa do Atlético-PR.

“Nós concordamos, porque é um estádio de alto nível e com uma grama aprovada no mundo inteiro”, analisa Salum.

O América vai estrear no Brasileirão 2018 diante do Sport-PE, no Independência. A partida ainda não tem data marcada, mas irá acontecer no terceiro fim de semana de abril.